Archive for junho \28\UTC 2011

O espetáculo…

Santo Seu Hilário

Histórias sobre as Viagens de Auguste de Saint-Hilaire pelo Brasil contadas com Marionetes

Entre os de 1816 e 1822 o Viajante Naturalista Auguste de Saint-Hilaire percorreu os Estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Coletou, durante suas viagens, muito material botânico e zoológico e fez inúmeras observações de interesse para a Geografia, a História e a Etnografia.

Contribuiu para o conhecimento de nossa Flora e deixou inúmeros relatórios de viagens de diversas partes do país. Colecionou no Brasil um herbário de 30.000 espécimes, de mais de 7.000 espécies, das quais umas 4.500 desconhecidas dos cientistas , na época.

Fino observador não só da natureza, mas dos costumes, do modo de vida dos povos visitados seu diário constitui relato que diz respeito à conduta dos homens e seus labores na terra, os erros praticados a Natureza, como a mania das queimadas, as crendices e superstições, a inteligência e hospitalidade dos Mineiros.

Sua identificação com o povo Mineiro e seus ricos relatos, nos motivaram a contar com o Teatro de Bonecos, usando uma linguagem infanto-juvenil, a trajetória desse incrível viajante naturalista que se encantou por Minas Gerais no início do século XIX. Com Marionetes, projeções de imagens, paisagens, o movimento dos bonecos articulados, Santo “Seu” Hilário passeia por Minas em um espetáculo divertido que revisitaremos nosso passado.

“Quando o Rei d. João VI mudou para o Rio de Janeiro a sede do seu império, o Brasil abriu-se finalmente, aos estrangeiros. Essa terra nova prometia aos naturalistas as mais ricas messes; foi ela que eu me dispus a percorrer.”
À partir de agora passamos a chamá-lo de Santo “Seu” Hilário.

CARTAS DE AUGUST SAINT HILAIRE

Ao Senhor Duque de Luxemburgo

Senhor Duque,

Quando partiste para o Rio de Janeiro, na qualidade de embaixador extraordinário, desejaste que a vossa viagem não fosse desprovida de utilidade para as ciências, e vos dignastes permitirme de vos acompanhar. Privado de tão envaidecedora e vantajosa oportunidade, não poderia ter empreendido a visita do interior do Império do Brasil. Se, pois, cheguei a poder tornar mais bem conhecida uma região tão favorecida pela Natureza, se pude inspirar aos meus conmpatriotas o desejo de entreter mais íntimas relações com os brasileiros, se os trabalhos que levei a efeito comtribuiram de algum modo parar o progresso da ciência, é a vós, senhor Duque, que devo tal felicidade; e homenageando-o com a oferta deste relatório nada mais faço, por assim dizer, do que restituir-vos o que vos pertence. Não vos limitastes a concederme vossa proteção, quando fui à América; desde o meu regresso que não deixastes de me prodigalizar as mais honrosas provas de interesse e benignidade. Possa a homenagem que aqui vos presto representar a vossos olhos um ligeiro testemunho do vivo reconhecimento e profundo respeito com que tenho a honra de ser,

Senhor Duque,

Vosso humilde e o obediente servidor,

Auguste de Saint-Hilaire.

– Que a partir de agora começaremos a chamá-lo de Santo Seu Hilário.

Anúncios